sábado, 19 de maio de 2012

Análise de Discurso e Esquizofrenia


 Ao estudarmos as linguagens, as manifestações individuais e de grupo, tanto orais quanto escritas, têm-se a necessidade de análises mais profundas, levando-se em consideração os vários tipos de discursos, as suas condições de produção etc., originando assim a Análise do Discurso (AD).

As duas linhas de AD mais famosas são a francesa e a anglo-saxã. O que diferencia a AD de Origem francesa da anglo-saxã, ou comumente chamada de americana, é que esta última considera a intenção dos sujeitos numa interação verbal como um dos pilares que a sustenta, enquanto a AD francesa não considera como determinante essa intenção do sujeito; considera que esses sujeitos são condicionados por uma determinada ideologia que predetermina o que poderão ou não dizer em determinadas conjunturas histórico-sociais.



Michel Pêcheux
Não se sabe quem foi o fundador da disciplina da AD. Muitos atribuem sua origem a Jean Dubois e Michel Pêcheux, sendo que ambos partilhavam do Marxismo e da Política, das convicções sobre a luta de classes, a história e o movimento social. É sob o horizonte do Marxismo e da Linguística que nasce a AD.


Temos também o trabalho de Harris, cujos estudos vão além das análises confinadas meramente à frase e os trabalhos de R. Jakobson e E. Benveniste sobre a enunciação.

A AD inicialmente era definida como “o estudo linguístico das condições de produção de um enunciado”, apoiando-se sobre conceitos e métodos da linguística. Mas só a linguística não é suficiente para marcar a especificidade da AD no interior dos estudos da linguagem e para isso será necessário considerar outras dimensões como a ideologia e o discurso.

Discursos são como um conjunto de enunciados que se remetem a uma mesma formação discursiva (“um discurso é um conjunto de enunciados que tem seus princípios de regularidade em uma mesma formação discursiva”). Para Foucault, a análise de uma formação discursiva consistirá na descrição dos enunciados que a compõem. E a noção de enunciado em Foucault é contraposta à noção de proposição e de frase, concebendo-o como a unidade elementar, básica que forma o discurso. O discurso seria concebido, dessa forma, como uma família de enunciados pertencentes a uma mesma formação discursiva.


A necessidade de comunicação acompanha os passos humanos na história. Está associada à sobrevivência desde os traços alegóricos das cavernas até a onipresença dos satélites, do telefone celular, do fax e dos computadores. É um pré-requisito da dominação humana sobre os pressupostos da natureza. À medida que as configurações sociais se tornam mais complexas, aumenta a necessidade de discursividade. Os textos, das falas e as imagens transitam constantemente pela multiplicidade dos espaços sociais e nos cercam no dia a dia.

Na caminhada humana, inúmeros passos, dados em diversificadas circunstâncias históricas, mobilizaram a essencialidade do discurso. É possível sublinhar, entre outros, os impulsos da descoberta de Gutenberg, da Revolução Francesa e da Segunda Revolução Industrial.

A partir da segunda metade do século XIX, a Segunda Revolução Industrial começou a redefinir o meio econômico e o político. A partir dela, tudo o que o homem consome passa a ser fabricado pela máquina. A maior velocidade de produção exige um maior número de mercados.


A informação se converte em mais uma mercadoria, com um duplo valor de troca. É ideológica e, ao mesmo tempo, dá lucro. Significa uma das mais perfeitas sínteses dos níveis infra-estrutural e superestrutural. Representa a própria redefinição sublimada do conceito de capital.

No século XX, a internacionalização da informação se torna uma realidade, materializada, também, pela mídia eletrônica. O seu fluxo abreviou as distâncias e redesenhou os mapas. É um espelho da onisciência do homem em todos os cantos do mundo.

Os meios massivos de comunicação foram uma das mais consequentes instâncias de poder nesse fim de século. Configuram uma personalidade, particularizada, de instituição pós-moderna. São empresas que produzem e reproduzem o econômico e o ideológico, como uma única e indissociável mercadoria. Em nenhum outro momento histórico, como agora, se produziu tanto discurso.

De acordo com a etimologia do termo discurso, “Dis-cur-sus é, originalmente, a ação de correr para todo lado, são idas e vindas ‘démarches’, ‘intrigas’”. Tal perspectiva etimológica consegue indicar, em sua significação estática, o sentido de movimento e de relatividade. Insinua a prática que envolve a lida com os signos, permeada pela tecitura e contextura, marcas digitais da historicidade.

A maior parte dos procedimentos para elaborar uma teoria que superasse o impasse em torno de uma teoria do discurso permanecia presa a uma referência à dicotomia língua/fala, acreditando que a problemática pudesse ser resolvida deslocando a questão para o pólo da fala. As várias tentativas iniciais de elaboração de uma teoria do discurso sofriam da ausência de definição de seu objeto, resultante de uma referência implícita ou explícita aos termos fala e diacronia.

1. O modelo harrisiano
O ano de 1952 é considerado importante para a história da AD, pois é publicada a obra de Harris sob o título Análise do Discurso. A análise dos enunciados, sob a forma harrisiana, se apresenta como uma tentativa para elaborar um procedimento formal de análise dos segmentos superiores à frase, permitindo levar em conta relações transfrásticas que podem ser observadas nos “textos”. Propõe-se aplicar o método da análise distribucional praticado pela linguística descritiva ao nível da frase. Embora a obra de Harris possa ser considerada o marco inicial da análise do discurso, ela se coloca ainda como simples extensão da linguística. O procedimento analítico não visava a buscar o sentido do texto, excluindo qualquer reflexão sobre a significação e as considerações sócio-históricas de produção, que vão distinguir e marcar posteriormente a Análise do Discurso de orientação francesa.

2. O modelo da teoria da enunciação
A noção de enunciação constitui a tentativa mais importante para ultrapassar os limites da linguística da língua, permitindo elaborar um conceito que possibilitasse colocar em relação língua e fala. O domínio dos “dêiticos” parecia, com efeito, situar-se na intersecção do “código” e do “ato” de fala. Bally (1951) faz uma primeira formulação do problema da enunciação, tendo sido Jakobson (1963) e Benveniste (1966,1974) os pioneiros das pesquisas nesse domínio. Apesar das diferenças de abordagem, seus trabalhos convergem ao colocarem em evidência uma classe de unidades da língua que se definem por suas propriedades funcionais no discurso: os embreantes (shifters) para Jakobson ou elementos indiciais ou dêiticos para Benveniste. Mostram “a particularidade desses elementos que é o de remeter à “instância do discurso” em que são produzidos, constituindo no enunciado pontos de emergência do sujeito da enunciação. Esta descoberta funda a oposição enunciado/enunciação e abre uma perspectiva nova à análise do texto: este não manifesta apenas o funcionamento da língua como repertório de signos e sistema de suas combinações, mas remete para a linguagem assumida como exercício pelo indivíduo. Para Benveniste (1966,1974), o que transforma a língua em discurso é o ato de enunciação – ato pelo qual o sujeito falante se apropria do aparelho formal da língua. Todo ato de enunciação supõe, portanto, um trabalho individual de conversão da língua em discurso por um processo de apropriação. Nesse processo de apropriação, a categoria dos dêiticos, os pronomes pessoais ocupam um lugar privilegiado, pois será por meio deles que se dará conta da presença do sujeito na linguagem e no mundo. Para Benveniste (1966), “a linguagem só é possível porque cada locutor se apresenta como sujeito, remetendo a ele mesmo como eu no seu discurso”. Portanto, o eu do código está disponível a todos e falar é apropriar-se dele, é organizar o discurso em torno do eu/aqui/agora, e o mundo ao redor dessas coordenadas. O tu, embora figura necessária e complementar, não é igual nem simétrico ao eu, que lhe é transcendente e do qual é apenas eco. A designação dêitica torna-se, assim, o primeiro ponto de ancoragem do sujeito e permite dar um primeiro sentido à noção de subjetividade. Em Benveniste, no entanto, o sistema dos pronomes pessoais, central para ele, se constitui pela exclusão da terceira pessoa colocada como não pessoa.

Pode-se dizer que todas essas tentativas de superação de uma linguística restrita à língua não atingiram seu objetivo, que seria a constituição de um objeto realmente novo, o discurso, porque continuaram ainda presas à dicotomia saussuriana (Ferdinand Saussure), assimilando a questão do discursivo à fala, com exclusão da história, concebendo o sujeito de forma idealizada, na sua unicidade e homogeneidade, como fonte criadora, origem do sentido, sentido entendido como transparência.

A emergência da disciplina que mais tarde passa a ser denominada AD de linha francesa tem, supostamente, uma dupla fundação, centrada na atuação de Jean Dubois e Michel Pêcheux.

Os anos 60 são os anos do estruturalismo triunfante. A linguística, promovida a ciência piloto, está no centro do dispositivo das ciências. O projeto da AD nasce neste contexto, com uma expansão da linguística e a possibilidade de uma disciplina (nova).

Na conjuntura teórica da França dos anos 1968-70, em um momento em que emerge o sentimento dos limites e do relativo esgotamento do estruturalismo, nasce a AD, presidida pela linguística e pelo marxismo, tendo inscrito no seu projeto um objetivo político: usar a arma científica da linguística como um novo meio para abordar a política.

Assim, a noção de sujeito em Pêcheux, é determinada pela posição, pelo lugar de onde se fala. E ele fala do interior de uma formação discursiva (FD), regulada por uma formação ideológica (FI). E isso o leva a conceber uma subjetividade assujeitada às coerções da FD e da FI. Portanto, um sujeito marcado por uma forte dimensão social, histórica, que na linguagem é balizada pela FD que define o que pode e deve ser dito por um sujeito.

Nos fins dos anos 70 esta AD da primeira fase estava de certa forma consolidada nos trabalhos de pesquisa, em estudos concretos que lhe conferiam realidade. Situando-se num campo polêmico pelos deslocamentos que provoca, ela foi logo objeto de críticas tanto da parte dos próprios analistas do discurso quanto dos linguistas e de pesquisadores estranhos ao campo da linguística.

A AD tentou construir um objeto, buscando ao mesmo tempo instrumentos operatórios para trabalhá-lo, mas ao fazer isso, paradoxalmente, a AD, de alguma forma, repetiu em sua constituição as condições que presidiram a fundação saussuriana do objeto da linguística. Isto é, da mesma forma que na linguística da língua a homogeneidade da língua assegurava a regulação das exclusões e as rejeições para fora do objeto, o conceito de FD , tal como foi concebido nessa fase, como espaço estrutural fechado, reproduziu o fechamento do corpo discursivo com a homogeneização do corpus.

Assim, depois de 1975, AD passa a uma segunda fase em que, a partir dessas construções do momento inicial, objetos de críticas pertinentes, se dão desconstruções e reconfigurações provocadas pelas transformações da conjuntura teórica e política que acontecem na França.

Pêcheux não fica imune a esse processo de reconfiguração. Reformula sua noção de FD ao reconhecer que uma FD não é um espaço estrutural fechado, pois está em relação paradoxal com seu “exterior” ao ser constitutivamente “invadida por elementos que vêm de outro lugar que se repetem nela, sob a forma de pré-construído e de discursos transversos”.  Surge então a noção de interdiscursividade para designar o “exterior específico” que irrompe no interior de uma FD. Ao se colocar a relação da FD com um além exterior e anterior, vê-se obrigado a reconhecer como elementos importantes a serem considerados na análise de uma FD.

O sujeito do discurso concebido, de início, como puro efeito de assujeitamento ao dispositivo da FD com o qual se identifica, vai sendo também contaminado por essa preocupação nova (o exterior como constitutivo do interior discursivo) que leva ao questionamento da própria concepção original da FD e ao reconhecimento do discurso como um objeto heterogêneo. Sob o primado teórico do outro sobre o mesmo, procura-se tematizar as formas linguístico-discursivas do discurso outro e da identidade discursiva.

Posteriormente, a recepção das idéias de Bakhtin (1979) no Ocidente, primeiro pela via da literatura, se faz sentir também na AD pela dimensão sócio-interacionista da sua concepção de linguagem. Concepção que está assentada no princípio de que toda palavra é dialógica por natureza, porque pressupõe sempre o outro; o outro sob a figura do destinatário a quem está voltada toda alocução, a quem se ajusta a fala, de quem se antecipam reações e se mobilizam estratégias. Mas, na concepção bakhtiniana, o outro é ainda o outro discurso ou os outros discursos que atravessam toda fala numa relação interdiscursiva.

Concebe-se a linguagem como forma de interação social em que o outro vai desempenhar um papel fundamental na constituição do significado e insere todo ato de enunciação individual num contexto mais amplo, revelando as relações intrínsecas entre o linguístico e o social.

Nesse quadro teórico discursivo, em que o ato de enunciação é uma forma de interação social, como fica a questão do sujeito? Nesse quadro só se pode conceber um sujeito social, histórica e ideologicamente situado, que se constitui na interação com o outro. Eu sou eu na medida em que interajo com o outro. É o outro que dá a medida do que eu sou. A identidade se constrói nessa relação dinâmica com a alteridade.

O texto encena, dramatiza essa relação. Nele, o sujeito divide seu espaço com o outro porque nenhum discurso provém de um sujeito adâmico que, num gesto inaugural, emerge a cada vez que fala/escreve como fonte única do seu dizer. Segundo essa perspectiva, o conceito de subjetividade se desloca para um sujeito que se funde como partícula de um corpo histórico-social no qual interage com outros discursos de que se apossa ou diante dos quais se posiciona (ou é posicionado) para construir sua fala.

Articulada ao princípio dialógico e a essa noção de sujeito, temos uma outra noção fundamental na teoria bakhtiniana de linguagem: a noção de polifonia. Determinado social e historicamente, todo texto trabalha a linguagem de forma a criar maior ou menor efeito polifônico. É nesse sentido que se tem disseminada a metáfora de que o texto se transforma em uma arena de lutas em que vozes, situadas em diferentes posições, emergem, polifonicamente, numa relação de aliança, de oposição ou de polêmica.

Mikhail Bakhtin
Numa outra relação interdisciplinar, a AD tem, atualmente, se valido de conceitos desenvolvidos pela linguista J. Authier-Revuz. Influenciada pela concepção polifônica da linguagem de Bakhtin e pela psicanálise, J. Authier (1982), tem feito seus estudos a partir da noção de que a linguagem é constitutivamente heterogênea, isto é, faz parte da própria natureza da linguagem o ser heterogênea. O discurso produzido por um sujeito cindido pelas várias perspectivas que assume dentro de um mesmo texto é também marcado por essa cisão, pela plurivalência e pela pluripresença da palavra.

Podemos ver a manifestação dessa heterogeneidade na própria superfície discursiva através da materialidade linguística do texto em que formas marcadas acusam a presença do outro, tais como: as formas do discurso relatado (discurso direto, indireto); as formas pelas quais o locutor inscreve no seu discurso, sem que haja interrupção do fio discursivo, as palavras do outro, indicando-as quer através das aspas, do itálico, de uma entonação específica, quer através de um comentário, de um ajustamento ou de uma remissão a um outro discurso; ao lado dessas formas marcadas, encontram-se formas mais complexas em que a presença do outro não é explicitada por marcas unívocas na frase. É o caso do discurso indireto livre, da ironia, da alusão, da pressuposição, da imitação, da reminiscência em que se joga com o outro discurso não mais no nível da transparência, do explicitamente mostrado ou dito, mas no espaço do implícito, do semidesvelado, do sugerido. Aqui não há uma fronteira linguística nítida entre a fala do locutor e a do outro, as vozes se misturam nos limites de uma única construção linguística.

Tendo em vista a evolução e mudanças ocorridas, então, dentro da AD, temos algumas novas subáreas surgindo e se desenvolvendo, como a Análise de Discurso Crítica, que é uma abordagem transdisciplinar da linguagem na vida social que se situa na interface entre a Ciência Social Crítica (CSC) e a Linguística Sistêmica Funcional (LSF).

A transdisciplinaridade é necessária a abordagens que investiguem o uso da linguagem em sociedade, pois não há uma relação externa entre linguagem e sociedade, mas uma relação interna e dialética. O rompimento das fronteiras disciplinares traz à Lingüística a ancoragem em perspectivas teóricas acerca da estrutura e da ação sociais, e propicia para as Ciências Sociais um arcabouço para análise textual.

Os estudos funcionalistas têm por objetivo, além de estabelecer princípios gerais relacionados ao uso da linguagem, investigar a interface entre as funções sociais e o sistema interno das línguas. A compreensão das implicações de funções sociais na gramática é central à discussão que relaciona linguagem e sociedade. A relação entre as funções da linguagem e a organização dos sistemas lingüísticos é, para Halliday (1973), um traço geral da linguagem humana, pois tais sistemas são abertos à vida social. Daí a necessidade de se estudarem os sistemas internos das línguas naturais sob o foco das funções sociais.

A variação funcional não é apenas uma distinção de usos da linguagem, é algo fundamental para sua organização, uma propriedade fundamental da linguagem. Em outras palavras, de acordo com os pressupostos da LSF, as funções da linguagem não são apenas extrínsecas, mas integradas à organização básica da linguagem. As abordagens funcionais da linguagem têm enfatizado seu caráter multifuncional e, nesse sentido, Halliday (1991) registra três macrofunções que atuam simultaneamente em textos: ideacional, interpessoal e textual.


A função ideacional da linguagem é sua função de representação da experiência, um modo de modelar a ‘realidade’ na língua: os enunciados remetem a eventos, ações, estados e outros processos da atividade humana por meio de relação simbólica. Essa função trata da expressão lingüística do conteúdo ideacional, presente em todos os usos da linguagem – independente do uso que se faz da linguagem, os recursos ideacionais são explorados em seu potencial para expressar um conteúdo.

A função interpessoal refere-se ao significado da perspectiva de sua função no processo de interação social, da língua como ação. Essa função, que trata dos usos da língua para expressar relações sociais e pessoais está presente em todos os usos da linguagem, assim como a função ideacional.

A terceira função proposta por Halliday é a textual: aspectos semânticos, gramaticais, estruturais, que devem ser analisados no texto com vistas ao fator funcional, uma vez que a seleção de estruturas textuais relaciona-se a contextos sociais de interação. A gramática é o mecanismo linguístico que opera ligações entre as seleções significativas derivadas das funções linguísticas, realizando-as em estrutura unificada.

As três macrofunções são inter-relacionadas, e quaisquer textos podem ser analisados sob cada um desses aspectos. Isso significa que todo enunciado é multifuncional em sua totalidade, serve simultaneamente a diversas funções. Nesse sentido, a linguagem é funcionalmente complexa. As estruturas linguísticas não ‘selecionam’ funções específicas isoladas para desempenhar; ao contrário, expressam de forma integrada todos os componentes funcionais do significado.

Os estudos discursivos têm atraído atenção de pesquisadores/as de diversas áreas da ciência social contemporânea. Segundo Fairclough (2000), esse interesse deve-se, por um lado, a teorizações recentes da modernidade, amplamente centradas no papel da linguagem na vida social moderna, e, por outro lado, à “virada linguística na vida social recente” propriamente dita.

Embora essas abordagens teóricas da ciência social baseadas na linguagem e no discurso ajudem a iluminar a questão de como a linguagem adquire maior visibilidade nas práticas sociais – sendo portanto muito enriquecedoras para a discussão do discurso na sociedade –, não elaboram investigações empíricas dos modos como essa relação discurso/ sociedade se concretiza na prática social. Essa lacuna é preenchida pela Análise de Discurso Crítica (ADC).

A ADC propõe-se um corpo teórico da linguagem na modernidade que, alimentada na ciência social crítica, apresenta um foco mais específico nos modos como a linguagem figura na vida social, e um conjunto de métodos para a análise linguística de dados empíricos, entendendo o texto – em sentido amplo: escrito, oral, visual – como unidade mínima de análise. Isso ilustra em que medida a ADC constitui-se uma ponte entre a CSC e a LSF, de cada qual tomando o necessário para o debate focalizado no papel da linguagem nas sociedades hodiernas, explicitamente no que tange a problemas sociais parcialmente discursivos.

Em ADC, a linguagem é percebida como parte irredutível da vida social, dialeticamente interconectada a outros elementos sociais. Trata-se de uma proposta capaz de mapear relações entre os recursos linguísticos utilizados por atores sociais e aspectos da rede de práticas em que a interação discursiva se situa. Para atingir tal objetivo, análises discursivas críticas não consideram textos como objetos de investigação isolados.

Para dar conta dessa relação com a CSC em termos teóricos e dessa dimensão crítica assumida em termos práticos a ADC busca o conceito de práticas sociais, um dos conceitos basilares da ADC, ao lado do de discurso. Para alguns teóricos, a análise das práticas sociais constitui um foco teoricamente coerente e metodologicamente efetivo porque permite conectar a análise das estruturas sociais à análise da (inter)ação, o que busca superar a improdutiva divisão entre teorias da estrutura e teorias da ação.

É a CSC que provê à ADC um arcabouço para a compreensão da vida social como constituída de práticas e redes de práticas. Toda prática social é composta de elementos que se articulam e não podem ser reduzidos um ao outro. Na produção da vida, social ou natural, a operação de qualquer mecanismo é mediada por outros, de tal forma que nunca se excluem ou se reduzem um ao outro. O discurso é visto como um momento da prática social ao lado de outros momentos que também devem ser privilegiados na análise.

Portanto, tendo todos esses fatores em mente, percebemos que a linguagem é um construto muito mais complexo e inter-relacionado com outros fatores extralinguísticos, do que supomos à primeira vista. Se a linguagem de um sujeito considerado “normal” e “funcional” já é algo complexo de ser analisar e compreender, imaginem então a linguagem de um indivíduo esquizofrênico! É exatamente nesse campo que estou trabalhando em minha pesquisa e expondo nesse blog.

Dentre a variedade de topografias e funções do comportamento humano, o comportamento verbal é mais uma categoria comportamental. Na visão skinneriana (Burrhus Frederic Skinner) é adotada uma abordagem funcional para o entendimento das condições sob as quais os comportamentos verbais ocorrem.
B.F. Skinner
O comportamento verbal, de uma forma geral, é a ação do homem sobre o meio de forma indireta, sendo seu primeiro efeito sobre outros homens. Mais especificamente, o comportamento verbal destaca o falante como o organismo que se comporta, o qual tem seu comportamento modelado e mantido pela consequências mediadas pelo ouvinte. Portanto, o episódio verbal total é o comportamento do falante e do ouvinte juntos.

Apesar da distinção do comportamento verbal dos demais operantes devido a questão mediacional, o episódio verbal total é uma questão relativa ao comportamento humano e, portanto, é uma questão que pode ser respondida com os conceitos e técnicas da psicologia enquanto ciência experimental do comportamento. Isto implica em considerar que o comportamento verbal pode ser modificado, inclusive, por meio de reforçamento e extinção.

O desenvolvimento do comportamento verbal característico de pessoas que receberam o diagnóstico de esquizofrenia possui um curso comum como de qualquer outro comportamento, isto é, se estabelece das relações com o ambiente. Alguns trabalhos de enfoque comportamentalista defendem o estudo de delírios e alucinações como comportamento verbal.

A fala psicótica, neste caso, trata-se de uma resposta verbal que é controlada por estímulos específicos, tanto discriminativos como reforçadores, não decorrendo simplesmente de funções neurais. Como comportamento verbal, a fala psicótica funciona como um operante: uma classe de respostas suscetíveis à modificação pelas consequências por elas produzidas. Logo, um operante especifica pelo menos uma relação com uma variável. A concepção de operante é extremamente significativa no estudo do comportamento por especificá-lo numa relação funcional, evidenciado na contingência tríplice: evento antecedente-comportamento-resultado.

Vale destacar que a análise do comportamento verbal é de extrema relevância e fornece informações sobre um tipo de comportamento essencial ao convívio do indivíduo em sociedade, permitindo uma ampliação do estudo envolvendo o comportamento humano.

Skinner (1957/1978) define o comportamento verbal como um operante em que o reforço é mediado socialmente, é um comportamento que tem sua origem nas contingências sociais. Aquele que se comporta verbalmente tem a consequenciação de sua ação disponibilizada por outros com quem interage no momento.

Aquele que inicialmente emite o comportamento verbal é denominado como falante, o que fornece o reforço a esta ação como ouvinte e esta interação como episódio verbal. A interação falante-ouvinte dependerá da história de condicionamento estabelecida pela comunidade, com a qual o ouvinte aprende a consequenciar o falante por meio das práticas de reforçamento. Desta forma, o ouvinte é capaz de interagir com o falante, compreender o falante e pode ou não reforçá-lo. A presença de um ou mais ouvintes (a audiência) funciona como estímulo discriminativo para a emissão do comportamento verbal, aumentando a probabilidade de sua ocorrência já que sinaliza a possibilidade de reforçamento.

Assim, a resposta verbal pode ser influenciada por estímulos discriminativos, consequências reforçadoras, consequências aversivas ou operações estabelecedoras.

Alguns estudos têm demonstrado sucesso na alteração das falas psicóticas em pessoas com o diagnóstico de esquizofrenia via procedimentos de reforçamento diferencial.

Nas interações do tipo pessoa a pessoa, a manutenção do comportamento verbal do falante requer constantes respostas do ouvinte direcionadas a ele. O ouvinte pode fornecer um fluxo constante de reforçadores verbais, como palavras do tipo “Certo”, “Mmhmm”, “Sim”, “Não”, “Eu lamento!”, “Não foi desta vez!” etc. Consequentemente, a privação social aumenta significativamente a efetividade de cada reforçador verbal.

Os pesquisadores Isaacs, Thomas e Goldiamond (1966), por meio de um procedimento de modelagem do comportamento verbal, de uma pessoa diagnosticada com esquizofrenia catatônica, demonstraram como o meio social mantém um comportamento problemático. A pessoa submetida neste programa de intervenção se mostrava completamente muda durante anos e após o trabalho de modelagem passou a emitir comportamentos verbais com frequência e em diferentes situações. Durante as sessões experimentais eram fornecidos reforçadores, como cigarro, na tentativa de promover a alteração do comportamento do participante, que permanecia sempre estático.

Em uma sessão, o experimentador ao retirar os cigarros do bolso, acidentalmente, deixou cair um pacote de goma de mascar e observou que os olhos do participante se moveram na direção do pacote e retornaram a sua posição usual. A partir daí a modelagem com o uso da goma de mascar como reforçador foi aplicada e chegou a ser aplicada a movimentos cada vez mais elaborados, desde o movimento do direcionamento do olhar à apresentação de palavras para uma solicitação.

Contudo, com o término do trabalho estabelecido pelos pesquisadores, as pessoas que frequentavam a instituição continuavam a reforçar os pedidos não-verbais deste participante, fortalecendo as respostas não-verbais e enfraquecendo os comportamentos verbais. Dessa forma, considerar o contexto se torna imprescindível para avaliar os controles do comportamento, o qual estará favorecendo ou dificultando determinada ação.

Patterson e Teigen (1973) realizaram um trabalho com uma mulher diagnosticada com esquizofrenia paranóide e continuamente internada em instituições psiquiátricas por 26 anos. Quando questionada sobre assuntos referentes a sua identidade e história pessoal a paciente apresentava respostas estranhas e fatos inverídicos. E quando confrontada sobre a legitimidade dos fatos, a paciente comentava sobre outros aspectos sem responder as perguntas. Por exemplo, em uma situação a paciente foi colocada a se olhar em um espelho e questionada sobre a idade que tinha, já que dizia ter 18 anos de idade enquanto na verdade tinha 60 anos. A paciente respondia que tinha cabelos bonitos e que as partes de seu corpo que eram jovens haviam sido roubadas e substituídas por partes do corpo de uma outra pessoa mais velha.


Com o início do programa de intervenção, a paciente era questionada diariamente com cincos questões referentes a sua identidade, as questões permaneciam sempre as mesmas. Às respostas corretas eram fornecidas fichas para serem trocadas por objetos de uso pessoal. Gradualmente foram estabelecidos intervalos varáveis maiores ao fornecimento das fichas. Em uma fase seguinte, as fichas eram fornecidas de forma não-contingente e antes de cada sessão de entrevista. Em outra fase a participante era instruída sobre o recebimento de fichas simbólicas e com a manutenção do reforçamento não-contingente. Finalmente, uma outra fase de reforçamento contínuo foi estabelecida para as respostas corretas.

Com a observação da participante em outros contextos fora da instituição e por entrevistas realizadas por pessoas diferentes foi verificada que as respostas corretas foram emitidas nessas situações. Durante o período contingente as respostas só foram apresentadas após oito tentativas. Durante o período parcial de reforçamento das respostas corretas, a participante respondeu corretamente em todos os momentos. Porém quando a participante foi informada que ao final da sessão só receberia fichas simbólicas, todas as respostas continham elementos bizarros. Na condição de reforçamento não-contingente, as respostas foram todas incorretas. Já na última fase, com o reforçamento contingente para todas as questões, a participante respondia corretamente, com exceção de uma tentativa na qual todas as cinco perguntas foram respondidas incorretamente. Após a saída da instituição foram realizadas 67 entrevistas diárias na casa da participante, que apresentou respostas corretas para todas as perguntas, o que garantiu a avaliação da generalização das respostas corretas. Contudo, em duas entrevistas de follow-up foram observadas respostas bizarras durante a primeira entrevista e repostas corretas e respostas evasivas durante a segunda sessão de entrevista.

Resumindo, a fala psicótica se torna matéria de difícil compreensão para a comunidade. Contudo, deve-se considerar que o estímulo ou parte do estímulo discriminativo da contingência a qual a resposta verbal está relacionada pode não corresponder ou ser significativa para as outras pessoas.

Em outras palavras o discurso emitido por portadores de doenças mentais, como esquizofrenia ou por afásicos, em geral, pode ser seriamente prejudicado, de acordo com o feedback recebido pelo meio em que esse indivíduo vive. Se ele for recriminado, zombado ou ignorado, a cada enunciado emitido, a tendência é que ele se isole cada vez mais ou se perca em seu próprio mundo, já que não há um interlocutor adequado ao seu discurso. Ele preferirá falar consigo mesmo ou não falar nada, do que ser incompreendido ou ignorado.

Para dar um exemplo de um discurso psicótico, faço um recorte da pesquisa de Daísy Cléia Oliveira dos Santos sobre a análise da fala psicótica via estratégias operantes de intervenção, na qual ela entrevista um homem, de 55 anos de idade, segundo filho de uma prole de sete filhos, solteiro, de nível socioeconômico médio e possuindo o ensino médio completo, diagnosticado com esquizofrenia aos 22 anos de idade, internado seis vezes em instituições psiquiátricas, sendo a primeira aos 25 anos de idade e a última a quatro meses do início deste trabalho.

Fala psicótica
Comentário

“É país, país, país, país da primavera. Japão, China, Itália, Hong Kong e Bang Labis”

A repetição desnecessária de palavras e a apresentação de palavras inexistentes.

“Na astrologia ta todas as idéias. Ta as quatro mães. Têm todas as diretrizes. Tem... Tem os governadô. Tem os psicólogo. Tem tudo. Tem tudo. Ta tudo. Tudo na astrologia. Eu soube que tem tudo que fazes. Tudo que pensas ta na astrologia”

Relato ininteligível, quando comparada a relação entre os elementos contidos nas frases.

“É o signo de touro, o gêmeos, o..., o câncer e o, o vênus de libre no segundo a primavera, o mercúrio-escorpião, o sagitário de júpiter, o capricórnio, pluto dos dez, o aquário, o peixes e o marte-ares. E ta as mães. Ta a toura, a gêmeas, a leonina (...)”

Relato que pode ser considerado bizarro, dada a sequenciação de conteúdos inexistentes, por exemplo, “pluto dos dez”.

“Eles fala que na minha encarnação anterior ... Eles acham que eu, que eu, que eu não zelei da família. É perjúrio!. Que a, que a encarnação anterior eles falam que as minhas cores na en ...encarnação anterior é verde, preto, branco e verão. Então eu vou mudando, mudando de cor”

Relato bizarro, dada a dificuldade em apresentar o relato (p. ex., repetição das palavras de ligação) e possuir um sentido estritamente particular do participante.

“O cristianismo é tecí o budismo é fiei. Porque é duas religião que acontece em quatro mundo. No sul, no norte, no oriente e no ocidente. (...) aqui no ocidente é orei. Eles acham que é orei, porque o orei é materialista”.

Relação não usual dos conteúdos do relato, por exemplo, “cristianismo é tecí”. Além da apresentação de palavras sem sentido e desconhecidas (p. ex., teci).

Assim sendo, a linguagem na esquizofrenia, ao fazer implodir toda a previsibilidade da Língua constituída, nos coloca diante do real da língua e de diversos dilemas sobre que caminhos seguir, em quais teorias se basear, quais os melhores procedimentos, qual a melhor forma de aproximação etc.

Acredito que novos caminhos precisam ser trilhados visando resultados mais eficazes, que não sejam fruto apenas do “controle químico” de comportamentos não aceitos socialmente, mas de uma análise tanto discursiva quanto comportamental do sujeito. 

Muitos psiquiatras, psicólogos, cientistas e profissionais envolvidos em áreas que estudam psicopatologias e neuropatologias, afirmam que mais do que em outras desordens mentais, no diagnóstico da esquizofrenia a linguagem deveria ter um papel de destaque, porque irá refletir claramente o grau da psicopatologia e apontar caminhos para possíveis intervenções.

Dessa forma, reafirmo meu compromisso em desenvolver pesquisas nessa área, a nível de pós-graduação, a fim de contribuir para a extinção de visões preconceituosas e excludentes em relação a doentes mentais e, quem sabe, fornecer ferramentas e conhecimento para que as pessoas saibam lidar e compreender melhor o comportamento verbal e não-verbal de pessoas portadoras de esquizofrenia.


Referências:

BRANDÃO, Helena Hathsue Nagamine. Análise do discurso: um itinerário histórico. In: PEREIRA, Helena B. C. & ATIK, M. Luiza G. (orgs.) Língua, Literatura e Cultura em Diálogo. São Paulo: Ed. Mackenzie, 2003.

PICARDI, Fernanda Duayer. Linguagem e esquizofrenia: na fronteira do sentido. Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas, SP: 1997.

RAMOS, Roberto. Análise de discurso: uma abordagem dialética. Conexão – Comunicação e Cultura, UCS, Caxias do Sul, v. 6, n. 12, jul./dez. 2007.

RESENDE, Viviane de Melo. Análise de discurso crítica: uma perspectiva transdisciplinar entre a linguística sistêmica funcional e a ciência social crítica. In: 33rd International Systemic Functional Congress, 2006.

SANTANA, Luciana Aparecida Martins. Comportamento verbal e esquizofrenia: estratégia operante de intervenção. Dissertação (Mestrado). Universidade Católica de Goiás. Departamento de Psicologia. Mestrado em Processos Clínicos. Goiânia, GO: 2008.

SANTOS, Daísy Cléia Oliveira dos. Análise da fala psicótica via estratégias operantes de intervenção. Dissertação (Mestrado). Universidade Católica de Goiás. Curso de Mestrado de Psicologia. Goiânia, GO: 2007.



5 comentários:

marciagrega disse...

Vc precisa divulgar mais seu blog!
,Estou divulgando no twitter! E no face também!
,Bjusssss

António Jesus Batalha disse...

Olá , seu blog é muito bom, e desde já quero dar-lhe os parabéns, meu nome é: António Batalha, e quero deixar-lhe um convite, se quiser fazer parte de meus amigos virtuais no blog Peregrino E Servo ficarei muito radiante. Claro que irei retribuir seguindo também seu blog.Como sou um homem de Deus deixo-lhe a minha bênção. E que Seja feliz você e sua casa.

Milena Nicolas disse...

Olá Antônio...

Agradeço muito pelas palavras carinhosas e com certeza seguirei o seu blog também.

Voltei sempre e fique com Deus

Abraços,
Milena

Jurema Cappelletti disse...

Como esse blog é voltado para a 'análise' do ser humano, vou transferir para vocês o que venho ouvido muito: A ATUAL LINGUAGEM CORPORAL DO EX-PRESIDENTE LUÍS INÁCIO. Não sei se houve alguma mudança depois que FOI OBRIGADO a largar o cargo. Caso queira, meu email é ju.cappel@gmaqil.com

Um abração, Ju
(pode deixar que não farei nenhuma outra consulta além dessa)

Milena Nicolas disse...

Olá Jurema,

agradeço muito suas consultas ao blog e a convido a ler o novo post, que acabei de postar: Esquizofrenia e Tratamentos.

Quanto à atual linguagem corporal do nosso ex-presidente da república, não sei se há algum estudo sobre, dentro da área da análise do discurso, mas certamente o PT e toda a cúpula do mensalão tem recebido altas críticas por parte dos intelectuais e estudiosos, uma vez que eles tentam, descaradamente, nos convencer de uma inocência inexistente.

Volte sempre..Você é muito bem vinda.

Abração,

Milena

Quem sou eu

Minha foto
Insanamente louca por tudo que envolve a relação linguagem-cérebro-mente.... Apaixonada esposa de Rafael, estudante do último ano de Medicina e futuro Médico da Família.. Residente em Cuiabá-MT, desde 2007, onde conclui minha graduação em Letras/Inglês, na UFMT, em 2011.. Orgulhosa filha de Marineide Dan Ribeiro, mais conhecida como Márcia ou Grega.. Futura mestranda da UNICAMP/Campinas-SP...

Visitas

Pesquisar este blog

Seguidores

Total de visualizações de página